domingo, 30 de maio de 2010

Significados no meio escoteiro

Se você (que não é escoteiro) gostou do que viu aqui no blog e está pensando em se infiltrar no mundo do Escotismo, pode tirar o cavalinho da chuva! Ninguém do Movimento vai acreditar que você também faz parte dele, mesmo com todas as suas boas intenções.

Digo isso porque o Escotismo é riquissímo em significados. Para quase tudo que se faz, existe uma maneira certa e padronizada de se fazer que simboliza algo. Por exemplo, o aperto de mão dos escoteiros.
Vamos tentar estruturar isso, ok?


Como fazer (elementos)
Mão esquerda com os dedos mínimos entrelaçados.

Significado (função)
Demonstrar que um escoteiro confia no outro.

Contexto
Certa vez Baden-Powell foi cumprimentar o chefe de uma tribo africana, estendendo a mão direita, e surprendeu-se ao ver que o indígena lhe estendeu a mão esquerda. Intrigado, recebeu a seguinte explicação do chefe: "Aqui os grandes guerreiros se cumprimentam com a mão esquerda, largando para isso o escudo. Assim deixam claro a sua coragem e a confiança que depositam no outro, mesmo que este seja o adversário. Entre nós, os guerreiros são homens de honra e os homens honrados são sempre leais".


Esse é o AUTÊNTICO aperto de mão dos escoteiros!

Então, se quiser se passar por escoteiro e pensar em cumprimentar alguém, lembre-se de deixar a mão direita de lado!



Obs: a autora do post não recomenda, não incentiva (e muito menos apóia) a falsa identidade!

sábado, 22 de maio de 2010

Atividade Cidadã: Autenticidade e veracidade



Embora a Nota Oficial da Reitoria divulgada no site na UnB (para visualizar, clique aqui!) afirmar o pagamento da URP aos professores e técnicos, não é isso que mostra o contracheque mostrado. Isso torna a nota inverídica, porém autentica. Já o contracheque divulgado no Blog Diplomática e Tipologia Documental (para visualizar, clique aqui!) é autêntico e verídico.

Diante de vários discursos a respeito da Educação Superior, acredito que alguns que fazem diagnóstico da atual realidade das universidades são verídicos e autênticos. Já alguns iniciativos do governo que alegam a qualidade do ensino, a exemplo do Reuni, são autênticos, porém diante de muitas realidades são inverídicos, pois é notória que a ampliação do Ensino Superior nas Universidades Públicas não obterá sucesso se não proporcionar as condições para o desenvolvimento do Ensino, da Pesquisa e Extensão.

Diante da atual situação dos servidores e professores da UnB, verifica-se que é impossível tratar da satisfação dos professores e servidores, e por consequência, dos alunos. É notória a discrepância entre os salários dos profissionais da universidade de Brasília com a de outros cargos do serviço público, e até mesmo se comparado com os professores de universidades particulares. Infelizmente, a qualidade do ensino e a prestação de serviço ficam comprometidos devido aos baixos salários e as péssimas condições encontradas na universidade.

Grupos Escoteiros




Confiram no site abaixo a relação dos grupos escoteiros do Distrito Federal:

http://www.ueb-df.org.br/Escotismo/gruposdf.asp

domingo, 9 de maio de 2010

Nova marca dos Escoteiros do Brasil


Foi divulgada a nova marca dos Escoteiros do Brasil. Assim como a nova cara do site da União dos Escoteiros do Brasil - UEB.


Confiram clicando aqui!

Cem anos do Escotismo no Brasil

Senador Flávio Arns faz pronunciamento pelos cem anos do Escotismo no Brasil


 


O Escotismo chegou ao Brasil em 1910, quando um grupo de suboficiais da Marinha fundou o Centro de Boys Scouts. Traziam uma experiência da Inglaterra e com ela iniciavam um movimento nacional de educação não-formal que até hoje se ocupa com o desenvolvimento integral e permanente de crianças e jovens.

Flávio Arns, presidente da União Parlamentar Escoteira do Brasil – UPEB, lembrou que o primeiro órgão que surgiu para coordenar o movimento em nível nacional foi a União dos Escoteiros do Brasil – UEB. O senador entende, contudo, que haver 70 mil escoteiros no Brasil ainda é pouco: "Eles devem ser centenas de milhares ou milhões; isso representaria um salto de qualidade na juventude brasileira e, consequentemente, na sociedade como um todo", enfatizou.

O senador chamou atenção para a integridade da missão e dos objetivos do Escotismo: "Em cem anos, permanecem ilesos todos os valores e compromissos! Sobretudo, permanece intocada a educação do escoteiro para a liberdade, com declarado compromisso para com a preservação do meio ambiente. No XVI Congresso Nacional dos Escoteiros de que participei recentemente no Rio, foi lançada a nova marca da flor de lis (símbolo dos escoteiros), uma indicação de modernidade, mas com o mesmo espírito de solidariedade, cidadania e respeito ao próximo, que sempre norteou o movimento".



Fonte: Escoteiros do Brasil - 30/04/2010

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Atividade:Arquivo da Comissão de Formatura



Aaaaaaaah a Formatura...
É pessoal um dia chegamos lá! Enquanto isso não acontece temos que nos contentar somente em analisar os documentos referentes a essa tão esperada cerimônia...

A seguir a atividade que nos foi proposta no blog mãe: http://diplomaticaetipologia.blogspot.com/2010/04/arquivo-da-comissao-de-formatura.html

Em uma cerimônia de colação de grau temos, entre outras coisas, o juramento, o discurso do Paraninfo e o discurso do Orador da turma. Cada um desses momentos geram documentos, e cada documento possui valores e contextos diferentes.

A ideia é a seguinte: Vocês deverão fazer uma análise diplomática de cada documento aqui proposto, e uma análise tipológica em três diferentes contextos, arquivo do CAARQ, arquivo do professor André e no arquivo de um formando.
* Juramento de Arquivologia
* Discurso do Paraninfo
* Discurso do Orador

1) O Juramento de Arquivologia
O documento se encontra em meio digital,que pode ser aberto pelos programas de edição de texto, formato folha, gênero textual, língua portuguesa e está em sua forma original. Não possui datas, carimbos, assinaturas e nem símbolos que possibilitem a identificação de quem o produziu e quando o produziu. A única coisa que o descreve é o título, destacado em azul, com grafia diferente da do resto do texto. Pela atividade, sabemos que o juramento foi criado para atender o evento da colação de grau deste semestre dos alunos de arquivologia da Universidade de Brasília. Por isso, no arquivo do formando que o produziu, é o original.

Nos demais arquivos, como no arquivo do CaArq seria uma cópia e possui um caráter informativo e serviria para consulta dos alunos que busquem um histórico de juramentos que já foram proferidos em formaturas, talvez como um guia para o juramento a ser produzido para a sua própria formatura. Para essa finalidade deveria ser devidamente identificado quando da sua "guarda" já que este juramento não possui as identificações como já dito. O arquivo do CaArq também pode ter o interesse de ter o registro dos compromissos profissionais que os alunos juraram exercer em suas vidas. No arquivo do professor André e no dos outros formandos, também seriam cópias, e teriam o caráter informativo e também o sentimental, uma ver que o juramento pode representar algo significativo, como se lembrar do aluno que o proferiu e o destaque do evento na vida do formando.

2) O Discurso do Paraninfo
Diferentemente do juramento, o discurso possui os elementos que permitem a sua identificação, como a data e o local (Brasília, 30 de março de 2010), quem o proferiu e produziu (Prof. Lillian Alvares), qual a cerimônia que foi proferido (Solenidade Ofical de Outorga de Grau dos Formandos do Segundo Semestre de 2009), cita nomes de responsáveis pelo departamento, alunos e professores. Gênero textual, suporte digital, também pode ser aberto pelos programas de edição de texto, língua portuguesa, linguagem formal, original.
No arquivo do CaArq e do formando, pode ser guardado junto com o juramento uma vez que foram realizados no mesmo evento, novamente com caráter informativo ou sentimental para quem os interessar.
No arquivo do professor, teria destaque caso ele fosse o paraninfo escolhido senão seria apenas informativo como nos demais arquivos.

3) O Discurso do Orador
Criado também para a celebração da formatura de arquivologia, mas não possui as identificações pertinentes, só sabemos que faz parte do mesmo evento pela atividade proposta, ao ler o conteúdo do texto e por citar os nomes dos professores participantes do evento o que poderia ajudar na identificação de qual pertence. Também se direciona para atender o evento da colação de grau dos alunos de arquivologia da Universidade de Brasília,está formatado uniformemente, o gênero é textual, formato folha, língua portuguesa e o suporte digital.
Como nos demais casos analisados, no arquivo do formando possui valor sentimental, como lembrança do evento, e da sua representação pelo aluno escolhido como orador e até de uma retrospectiva do curso, pois ao longo do discurso são mencionados alguns momentos da graduação. No arquivo do professor e do CaArq não teria relação de importância a não ser por algum valor secundário que o documento possa apresentar.


Então, qual a opinião de vocês? Concordam com a nossa análise? =]