sábado, 31 de julho de 2010

BLOG DA VEZ


ÉEEEE agora sim! Com certeza! Somos o blog da vez \o/
Esperavamos ansiosos para sermos avaliados e melhorar nosso blog com as sugestões de vocês!
Então... vamos lá, não custa nada relembrar os pontos a serem avaliados:
1) Qualidade do conteúdo;
2) Clareza dos assuntos tratados pela equipe;
3) Quantidade de postagens;
4) Atratividade em relação ao tema escolhido,
5) Interface do blog.


Fiquem a vontade para opinar bastante e se preferirem, atribuirem notas ;)


by Marina Garcia
Pois é, pessoal, depois de rodar um pouco no Lago Norte e se deslumbrar com as belas casas que existem lá, chegamos à sede do Grupo Lis do Lago.
E qual não foi a nossa surpresa ao sermos recebidos com bolo e guaraná. Acredite, realmente os escoteiros sabem como acolher alguém, hehehe.
Brincadeiras à parte, na verdade eles estavam comemorando o aniversário do Grupo. Cantaram até os parabéns. E os Escoteiros Diplomáticos, sempre alerta, filmaram esse momento único. Vejam abaixo:





Infelizmente perdemos o início da saudação (problemas técnicos), mas conseguimos resgistrar a a maior parte. Depois ficamos sabendo que os membros do Grupo Escoteiro estavam participando da confraternização (obviamente) e ninguém gravou aquele Parabéns.

Generosamente (e também pra ganhar alguns pontinhos com os professores, rs), resolvemos ceder vídeos e fotos daquele dia para o Grupo Lis do Lago.

A pergunta é:

Se eles aceitarem o material, este fará parte do Arquivo do grupo escoteiro Lis do Lago?


Além disso, aproveitem e analisem tipologicamente o vídeo acima no Arquivo dos Escoteiros Diplomáticos. Lembrem-se de que é preciso indicar o contexto arquivístico, a série documental, o nome da espécie e o nome da função arquivistica.

Contamos com a contribuição de vocês!


Obs: outros vídeos gravados no dia estão acessíveis nos links:

http://www.youtube.com/watch?v=qhI6vESrQkE&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=UHGYJWch2Qo&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=X8Yhk7S0E9M&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=UJtXynuDeQM&feature=related


De antemão, pedimos desculpas pela qualidade dos vídeos...

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Olá pessoal!
Gostaria de dividir com vocês esse concurso muito interessante que vi quando estava navegando pelo site da UEB.

O tema do concurso é “Escotismo na minha vida é...” mas somente as pessoas associadas à UEB podem participar. (Poxa vida =/ ja estava me empolgando!)

Mas não desanimem, vale a pena conferir como funciona e os detalhes clicando aqui


by Marina Garcia

domingo, 25 de julho de 2010

Diplomática e Classificação


Respondendo a tarefa proposta pelo blog-mãe, a partir desses três planos de classificação, temos:

O primeiro plano de classificação é elaborado a partir da função arquivística dos documentos, isto é, o motivo pelo qual foram guardados. Deste modo, ocasionaria a classificação de documentos tipologicamente diferentes no mesmo código de classificação. Este método pode ser adequado à classificação de documentos de um fundo pessoal.

Já no segundo plano, a estrutura organizacional foi levada em consideração na constituição desse plano de classificação. Tal critério não é indicado pois as estruturas das organizações sofrem alterações ao longo da sua existência, por exemplo: órgãos são extintos, outros se fundem, divisões são feitas nos setores...

Visto essas duas formas de pensar um plano de classificação, chegamos à terceira opção que se dá pela classificação funcional que, dessa forma, torna-se a mais adequada pois respeita as atividades desempenhadas pela instituição, mantendo sua organicidade.

Lembrando que em todas as propostas, as espécies documentais são consideradas na denominação das séries.

Assim, com a análise dos planos e seus prós e contras...



Estamos em Obras!



Descupe-nos o transtorno estamos trabalhando para melhorar sua navegação!

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Aprimorando nossos conhecimentos:

Olha só pessoal uma visão muito interessante sobre a informação "Nas Nuvens"......

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Análise de documentos escoteiros



Aguardem em breve a análise tipológica e diplomática de alguns documentos escoteiros....

Até a próxima!

:D 


By Kathyanne Samara

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Textos disponíveis


Pessoal,

na tentativa de enxugar um pouco os nossos gadgets (hummm, só pra falar bonito!), isto é, aquela coluna à esquerda da página, vamos organizar nossos textos na página de Referências Bibliográficas.
Esperamos que facilite a vida de vocês (e a nossa também!).
Se alguém tiver qualquer sugestão ou contribuição a respeito, por favor, please, por gentileza, mande pra nós!

By Viviane Passarela

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Éeeeeee final do semestre e... trabalho final da disciplina de Diplomática. Na aula de hoje tivemos como atividade pensar efetivamente na proposta para o trabalho, escrevê-la e analisá-la/apresentá-la em conjunto com a turma e o professor, então...

Nosso grupo está se propondo a identificar e analisar diplomática e tipologicamente alguns documentos que fazem parte do meio escoteiro. Precisaremos determinar um limite de qual(ais) atividade(s) fazem com que esses documentos sejam gerados e limitar a certas funções que eles estão relacionados para a nossa análise. Verificamos durantes os trabalhos ao longo do semestre que não existe um padrão para os diferentes grupos escoteiros quanto à documentação, cabendo a cada um planejar e criar os seus próprios. Com isso, buscaremos levantar os elementos que devem fazer parte de cada documento escolhido para ele poder ser identificado dentro dos diferentes grupos escoteiros.

É isso, mas iremos fazer modificações para melhorar a proposta.
Qualquer pitaco é só dizer!

___________________________________________________________________________________

ATUALIZAÇÃO DA NOSSA PROPOSTA:

  • Fazer a visita ao Grupo Escoteiro Lis do Lago e identificação dos documentos do Grupo Escoteiro Hokma - Guará, disponível online em site próprio, e do Grupo Escoteiro Lis do Lago;
  • Realizar a análise diplomática e tipológica dos documentos identificados com base no contexto observado;
  • Conclusão das situações analisadas;

Atividade MCEbyte

Esse post irá responder as questões relacionadas com o kit MCEbyte.
Aguardeeeem!!!!


Escoteiros Seguidores,
A atividade já está disponível. Para acessa-lá clique aqui!

Até a próxima!

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Sinais de Pistas Escoteiras

Os sinais de pistas são muito comum no meio escoteiro, sendo usadas como referência por desbravadores. Alguns, são idênticos aos usados no passado pelos aventureiros, indígenas e exploradores.

No aprendizado dos sinais convencionais você deverá observar o seguinte:
  • Os sinais são feitos à direita dos caminhos;
  • Os sinais devem ser visíveis;
  • Quando venta não pode ser utilizado papéis ou folhas;
  • Os sinais não devem ser traçados a mais de um metro de altura do solo;
  • Nos cruzamentos de estradas deve sempre ser colocado o "caminho a evitar" nas que não vão ser utilizadas;
  • Nos lugares de movimento devem ser feitos muitos sinais;
  • Os sinais devem ser traçados obedecendo as condições do terreno: em terrenos difíceis, de 2 em 2 metros, nas rochas, de 5 em 5 metros, nas matas, de 20 em 20 metros, nos campos, de 30 em 30 metros.
  • Nos casos de interesse geral não empregar sinais convecionais limitados à patrulha, e sim os adotados geralmente.

Confiram os sinais de pistas:







Desafio "Diplomática do Além"


Meu povo e minha "pova"!

Fomos desafiados pelos nossos amigos a conversar um pouco sobre Chico Xavier. Se quiserem entender melhor do que estou falando, dêem um pulinho no Blog Diploarte por meio do link:

http://diploarte.blogspot.com/2010/06/diplomatica-do-alem.html


Bom, depois dessa visitinha, já deu pra saber do que se trata, né? Então, vamos ao que interessa!



1) A carta apresentada ao juiz e psicografada pelo suposto espírito de Henrique pode ser considerada verídica e autêntica tendo em vista a assinatura deste e a narração de fatos verídicos acontecidos em sua vida, ou não? Justifique.

Diante do exposto, só quem poderia afirmar a veracidade da carta seria o amigo da vítima, João França, se este não fosse considerado culpado. Com uma acusação de homicídio culposo, as palavras de João França se tornam duvidosas e a declaração de que carta é verídica, questionável.
Quanto à questão da autenticidade, só pelo fato da carta ser de data posterior à morte, já comprova que é inautêntica. Essa é uma das idéias utilizadas na identificação de documentos pertencentes a fundos pessoais. Além disso, sabemos que a carta foi escrita pelas mãos de Chico Xavier e não de Henrique Gregoris. Por exemplo, se alguém falsifica a minha assinatura e assina um documento, este é autêntico?



2) Quem seria o sujeito acumulador destes documentos no caso Henrique Gregoris? Quais funções tipológicas estas cartas (referentes ao caso) poderiam assumir? Explique.

Ao que tudo indica, a carta psicografada pelo Chico Xavier foi entregue à família e, se assim o for, os pais são os sujeitos acumulados e o documento cumpre uma função emotiva e informativa. Porém, se a carta foi considerada como prova e anexada ao processo judicial, o tribunal passa a ser o produtor e a referida carta apresenta uma função comprobatória da inocência de João França. E, por fim, se Chico Xavier não entregasse a carta à família, ele seria o acumulador e o documento também teria uma função comprobatória, mas dessa vez provaria a mediunidade de Chico Xavier.



3) Você acredita que de fato, vários outros crimes possam ser resolvidos desta forma, a partir do relato dos espíritos das vítimas ou a sociedade ainda não está preparada para esta inovação???

Cabe lembrar que a questão abordada é principalmente religiosa. Se os casos forem analisados por juízes que acreditam em psicografia, provavelmente será aceito. Se forem juízes descrentes, tais relatos serão desconsiderados. Em decorrência dessa subjetividade e, pelo fato de gerar maiores empecilhos às investigações (visto que, como os amigos do Blog Fundo de Garagem postaram, pode ser que apareçam milhares de médiuns com cartas que inocentem o Arruda, o Paulo Octávio, a Eurides Brito, o Leonardo Prudente, o Júnior Brunelli, o goleiro Bruno...), acredito que cartas psicografadas não devem ser analisadas como prova e nem influenciar nas decisões judiciais. Isso sem contar que na Constituição Federal indica que o Brasil é um Estado laico e não deve se basear em provas que dependam de fé.
Como não vi o filme, me faltaram muitas informações acerca do caso citado no post. Com o relato do blog, dá pra entender que o caso foi encerrado porque a mãe de Henrique se comoveu e retirou a acusação e, se foi assim, a absolvição de João França não se deu pela carta, mas sim por um conjunto de elementos que inclui a decisão da mãe espírita.


quinta-feira, 8 de julho de 2010

Descaso com documentos da Ditadura

Gente, estamos fugindo um pouco do nosso blog "Escoteiros Diplomáticos", mas trata-se de uma situação da nossa realidade arquivística e que não podiamos ficar calados. Como futuros arquivístas queriamos mostrar nossa indiginação diante do descaso do Governo com documentos de tamanha importância para a nossa história. Para terem acesso às notícias vinculadas no Jornal Folha de São Paulo e obterem mais informações clique nos links abaixo:


Acervo da Ditadura mofa sob goteiras em Brasília.



Servidores acusam governo de omissão sobre conservação de acervos da Ditadura.

domingo, 4 de julho de 2010

Desafio: Placas, Autenticidade e Veracidade





A documentação é autêntica se possuir elementos que comprovam a autenticidade do CRLV (Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo):

Papel-moeda;
Data cronológica;
Data tópica;
Informações do veículo;
Assinatura do emissor;
Marca d'água;
Sinal holográfico;
Auto-relevo;
Logomarca CONTRAN.

Se o documento for emitido pelo Órgão, possuindo todos os sinais de validação, será autêntico. Porém, as informações serão inveridicas visto que não trazem os dados do veículo utilizado (chassi) e sim do clonado. Caso o documento tenha sido produzido fora da instituição responsável então a documentação não será autêntica nem verídica. Neste caso a constatação somente será efetivada mediante vistoria no veículo por meio do DETRAN.


Dentre outros elementos especificados na resoluão do COntran no post anterior do grupo temos as seguintes características de validação de placas veiculares:
material usado na confeccção (suporte);
código lateral;
lacre;
cor;
fonte;
dimensões da placa (altura, largura...).

Características do veiculo:
ano, marca, modelo, cor, tipo de combustivel usado, chassi.

No caso de comprovação da clonagem, o CRLV autentico e veridico e a notificação por excesso de velocidade servirão como parte de um processo para retirada da multa e dos pontos na carteira.
No caso do CRLV autentico e inveridico, o mesmo será recolhido e apensado no processo servindo como prova.
Para o proprietário o CRLV comprova que o carro dele, e a notificação indica que ele foi clonado.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

"Os irresistíveis falsários"


Depois de assistir "Os irresistíveis falsários", comédia que aborda a falsificação dos diários de Hitler, fomos questionados e motivados (mais uma vez pelo Blog-Mãe) acerca da autenticidade e veracidade de três tipos de objetos que apareceram que no filme:

1) O quadro de Eva Braun
2) Os diários de Hitler
3) A carta de Hitler que atesta a autenticidade dos diários, pedida ao Prof. Knobel, quando ele estava com um surto de febre

Na verdade, a tarefa consiste em:

a) explicar quem atestou a autenticidade deles;
b) discutir se são diplomaticamente autênticos;
c) analisar se são legalmente autênticos;
d) definir se são historicamente autênticos;
e) explicar se são verídicos.


A essa altura do campeonato você deve estar se perguntando: tá, mas o que a imagem deste post tem a ver com o assunto? (Ou melhor, a função dele, somos futuros arquivistas, vamos começar a pensar como tal, rsrsrs).

A explicação: trata-se de um dos quadros pintados por Adolf Hitler que, após a morte do pai, tentou seguir carreira de pintor e foi recusado pela Academia de Artes de Viena. Colocamos esta imagem para auxiliar na análise do suposto quadro de Eva Braun.

Porém, antes de trabalhar com cada objeto em específico, queremos acentuar que todos eles são inverídicos e historicamente inautênticos, visto que seus conteúdos não correspondem com a realidade, não são fatos que aconteceram na vida de Hitler e, muito menos, obras criadas por ele. Tudo foi inventado pelo Prof. Knobel, o qual utilizou até momentos de sua vida particular nos hipotéticos diários de Hitler.

A partir disso, vamos à análise dos itens 'a', 'b', e 'c':

O quadro de Eva Braun

a) A autenticidade do quadro foi atestada pelo Professor Strasser, que se dizia amigo próximo de Hitler. Strasser aproveitou a história do quadro apenas para comprovar que convivia com Hitler, fato que pode ser questionado já que o quadro foi inventado por Knobel e nada do que estava retratado nele realmente aconteceu. Podemos até considerar que a mentira de um comprovou a mentira do outro.

b) O quadro é diplomaticamente inautêntico, visto que foi pintado por Knobel anos depois da morte de Hitler e não possuía a assinatura do líder nazista. Além disso, provavelmente os materiais empregados na criação do quadro não correspondiam aos da época de Hitler. Até a técnica de pintura era diferente, sem contar que, entre os quadros genuínos de Hitler, predominava a exposição de paisagens, cartões postais.

c) O quadro também é legalmente inautêntico. Não existe nenhuma prova de sua autenticidade e muito menos, a intervenção de uma autoridade garantindo sua genuinidade.


Os diários de Hitler

a) Os diários passaram por diversos peritos que atestaram sua autenticidade mediante comparação com a carta de Hitler (também escrita pelo Knobel).

b) Apesar desses diários terem sidos analisados por muitos peritos, os diários são diplomaticamente inautênticos, visto que seus elementos não condizem com a época. Inclusive as iniciais apresentadas nos diários (F. H.) geraram polêmica e controvérsias. Porém, se utilizados para, por exemplo, analisar a carta de Hitler, eles podem ser considerados autênticos sob a ótica do produtor Knobel.

c) Visto que não se conhece os diários genuínos de Hitler (se é que existem), não é possível que haja a confirmação de alguma autoridade atribuindo-lhes valor de prova. Dessa forma, os diários são legalmente inautênticos.


A carta de Hitler

a) Assim como os diários, a carta também passou por vários especialistas que confirmaram sua autenticidade.

b) Ao que tudo indica, a carta criada por Knobel apresenta os elementos extrínsecos de uma possível carta escrita por Hitler, possuindo até uma assinatura dele (apesar de falsa). Se for assim, a carta é diplomaticamente autêntica, de tal forma que até serviu como referência para atestar a autenticidade dos diários.

c) A carta é legalmente inautêntica porque não existe validação de alguma autoridade competente. Apesar de gerar dúvidas quando foi atestada por especialistas.


Bom, acabando a análise, mas aproveitando o assunto, indico uma discussão de um fórum dos Testemunhas de Jeová sobre uma carta enviada a Hitler. Não é a minha religião, mas achei um tanto curioso o debate acerca da autenticidade e veracidade da carta. Adorei a frase de um dos participantes: "os documentos falam por si só!".
Acessem o link TESTEMUNHAS DE JEOVÁ LIVRES!!!

E vocês, o que acham? A carta é autêntica e verídica?



By Viviane Passarela